Páginas

2.2.18

home.

Ninguém faz ideia do quão reconfortante é para mim ver o ambiente a transformar-se tão depressa! Fico tremendamente feliz por ver tufos de erva tão verde a espalhar-se e cobrir o terrível chão negro e logo pela manhã ouvir e ver passarinhos a chilrear e a esvoaçar entre os galhos mórbidos que ainda existem nas árvores... Pode parecer cliché ou parvo reparar nestas coisas, mas eu adoro a natureza, adoro estar envolvida nela e sentir que existe vida em todos os recantos! Não foi ao acaso que assim que me deparei com o cenário apocalíptico do pós-incêndio que desatei a berrar e a chorar que nunca mais conseguiria viver aqui, rodeada de um autêntico cemitério... Mas é uma sensação tão boa quase quatro meses depois ver que a natureza tem uma força impressionante e que, apesar de ter sido fustigada tão brutalmente, não baixou os braços e não desistiu, reuniu todas as forças que tinha e recomeçou do zero a viver! 

Sem comentários: