Páginas

19.2.16

I'm never gonna give you up, relatório!

Se a técnica de motivação mencionada no post anterior não funcionar, eis outras tantas que estou a experimentar: 

- Se for animal lover, pode tentar estimular a parte visual do cérebro com recompensas como imagens de animais fofinhos a cada x número de palavras: http://writtenkitten.co/ (opção de cão e coelho para quem não gostar de gatos, if that's even possible please leave this blog immediatly)

- Para pessoas gulosas (como eu, ihih!) recompensar uma dada realização com um pastel de nata da pastelaria do prédio também por vezes resulta.

- Se os estímulos sonoros funcionam melhor consigo e for apreciador de música, talvez isto sirva para nunca desistir: click me!


18.2.16

when you try your best but you don't succeed...

...ask a friend to motivate you:

  • 21:45
    Rita 
    às 22h volto ao relatório

  • 21:50
    Rita
    têm 10 minutos para me dar força e motivação

  • 21:51
    Jennifer
    you can do it you can do it. work hard play hard. do what you love and you wont have to work one day in your life. sweat is pain leaving the body. be strong and laugh at weak people. you can do it. just do it. be more human. be better than everybody. mais vale um relatorio de estagio na mao do que duas cervejas a emburcar.


Sim, é este o panorama neste momento... Vamos lá retomar a escrita do relatório ao som das mais belas soundtracks dos meus animes preferidos, yeaaah!

15.2.16

pretending to not feel alone.

"One thing that I've learned about love is that no matter how much you want it, no matter how much you seek it and no matter how much you strive for it,
 it doesn't happen until the right person comes along."

12.2.16

cair.

Permaneço inerte. Tenho os olhos fechados e sei que de nada me adianta abri-los. Rodeia-me a densa penumbra neste local desconhecido. Sei que, agarrada às minhas costas, está uma parede gelada que se confunde com a própria aragem. Sinto-me derrotada e tenho noção que sair deste sítio não será fácil, senão mesmo impossível. Arrasto timidamente um pé e nesse mesmo instante descubro o imenso vazio que me espera. Sou prisioneira de mim própria e os meus pensamentos guiam-me por mundos demasiado terríveis. Começa a chover torrencialmente e sei que o chão que piso irá desabar muito brevemente. Talvez seja este o fim que me espera. A cabeça lateja com o eco da batida que me assola o peito, que me preenche de vibrações nervosas por todo o corpo. Estou exausta de lutar contra esta espera interminável. Subitamente e ainda de olhos fechados, deixo-me cair para o abismo infindável.

10.2.16

rainy days.

when it all comes to an end... 

 (ou como estou a limpar a casa toda a fundo e evitar parar um segundo só que seja o suficiente para me dar um ataque de choro. fml)