Páginas

31.5.15

once you get the feeling

it wants you back for more

28.5.15

But if you give a little love,



you can get a little love of your own.

24.5.15

coisas a fazer assim que os mil exames da univ acabarem*:

- ler livros, muitos e bons livros!
- fazer um piquenique.
- andar de bicicleta.
- comer melancia.
- comprar uma rede nova para pôr no jardim.
- organizar o computador.
- fazer um projecto de diy que tenho em mente.
- tirar imensas fotografias.
- usar a piscina.
- fazer cupcakes.
-  escrever mais.


* - ou como eu tenho vontade de fazer imensa coisa quando tenho carradas de horas de estudo intenso pela frente.

sun(ny)day.


22.5.15

desabafos, desabafos everywhere.

Eu sou uma pessoa de pormenores, provavelmente por causa da minha péssima auto-estima e insegurança, creio sempre que não sou merecedora de grandes gestos, sentimentos e palavras por parte de outras pessoas e acabo por dar uma imensa importância aos detalhes quotidianos que a maioria aceita como um dado adquirido... também sei que ele nunca será mais do que um amigo, até porque ele merece alguém bem melhor do que eu, mas a verdade é que sabe tão bem todas as noites ler da parte dele palavras tão simples como "boa noite", "dorme bem", "até amanhã". Expressões que são atiradas todos os dias para um buraco negro no espaço, fazem-me esboçar um sorriso e acreditar que vou ter, de facto, uma boa noite e que vou dormir bem e que amanhã isso se voltará a repetir. Enfim, o meu mal claramente é o sono que me faz divagar demasiado. Amanhã há mais.

16.5.15

do coração.

Esta semana tem sido absolutamente incrível! Logo às doze badaladas tive uma surpresa minecraftiana de uma pessoa que surgiu recentemente na minha vida, mas que tem vindo a ter uma presença diária impressionante. Segunda e terça passei com as minhas meninas de Aveiro, foi bom estarmos todas outra vez juntas como se tempo algum se tivesse passado desde a última vez, a cumplicidade, as memórias, os risos, todos os elementos fizeram parte de uma divertida noite de enterro! Na quinta realizei os meus 22 aninhos, na presença da Paula e da Ângela, em Aveiro, foi um dia mais calminho, mas igualmente agradável! Ontem entrei no comboio e segui em direcção a Coimbra para estar com a melhor das melhores! Fui à queima das fitas com a Vanda a quem agradeço eternamente a sua presença incondicional desde há tanto tempo. Fui ver The Kooks que, para quem segue este blog, já deve ter percebido que é uma constante na banda sonora e gostei imenso do concerto ao vivo. Vi o nascer do sol e aproveitei a boleia dos manos para voltar à casa que me viu crescer ao longo deste tempo. Recebi miminhos e prendinhas da minha maravilhosa família. Mas claro, um momento de celebração como um aniversário tem sempre o seu lado mais nostálgico, vemos a vida a passar por nós mais rápido do que nos apercebemos diariamente e recordamos aqueles que são especiais, mas que não estão mais connosco. A todos esses, havendo dois em destaque, que saibam que me lembro sempre deles e que me fazem muita falta, que estou feliz e sigo o meu caminho sempre com esperança de que se orgulhem de mim como se orgulhavam outrora.

If you could see me now,
If you could see my smile,
Oh, would you be proud?

10.5.15

carpe diem, yolo, hakuna matata...

o que lhe quiserem chamar. A verdade é que já há uns tempos que me ando a sentir completamente despreocupada com as pequenas coisas que me levavam a crer que era neurótica, paranóica, wtv. Ando genuinamente feliz e alegre e acho que até sei o motivo, mas prefiro não dar demasiada importância senão ainda estrago tudo, as usual. Só sei que amanhã vou passar uma noite que espero que seja memorável com algumas das pessoas que mais amo e aproveitar cada segundo! Na quinta faço anos e na sexta vou à queima de Coimbra com a melhor das melhores amigas e quero divertir-me ao máximo e ouvir The Kooks ao vivo e dançar e sorrir. 
Noutra altura, perante uma semana como esta, eu estaria a stressar com tudo e mais alguma coisa, principalmente com o facto de ter que sair da minha zona de conforto, estar com imensa gente, apanhar comboios, bla bla bla, mas a verdade é que ultimamente alguém tem-me influenciado de forma positiva, tem-me feito ver que preciso de deixar de ser tão assustada e nervosa, preciso de aproveitar melhor a vida, deixar de "querer" estar sozinha, não ligar ao que os outros pensam, arriscar em situações que por muito que eu pense que não vou gostar, porque nunca experimentei, no fundo, até quero e acabo por desfrutar muito mais esses momentos. Acima de tudo só tenho sentido que devo e quero ser eu própria, sem me auto-julgar ou sem deixar que a opinião dos outros importe e afecte as minhas decisões, principalmente no que toca a divertir-me e deixar-me levar pela vida.

8.5.15

sem sentido, mas com significado.

arroz | s. m. 
ar·roz |ô| (árabe ar-ruzz) substantivo masculino 
1. [Botânica]  Planta poácea cultivada nos terrenos húmidos e quentes. 
2. Grão desta planta (ex.: pacote de arroz). 
3. [Culinária]  Prato cuja base é esse grão cozido (ex.: arroz de feijão, arroz de marisco)
4. Felicidade (ex.: arroz doce).
ar·roz |ô|
(árabe ar-ruzz)
substantivo masculino
1. [Botânica]  Planta poácea cultivada nos terrenos húmidos e quentes.
2. Grão desta planta (ex.: pacote de arroz).
3. [Culinária]  Prato cuja base é esse grão cozido (ex.: arroz de feijão, arroz de marisco).
Plural: arrozes.

"arroz", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/arroz [consultado em 08-05-2015].
ar·roz |ô|
(árabe ar-ruzz)
substantivo masculino
1. [Botânica]  Planta poácea cultivada nos terrenos húmidos e quentes.
2. Grão desta planta (ex.: pacote de arroz).
3. [Culinária]  Prato cuja base é esse grão cozido (ex.: arroz de feijão, arroz de marisco).
Plural: arrozes.

"arroz", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/arroz [consultado em 08-05-2015].

1.5.15

getting closer.

 não me contento com o mero sorriso parvo, quero literalmente sentir-me nas nuvens.