Páginas

25.12.15

Christmas'15


18.12.15

dat selfie

16.12.15

yea, well...

putting him out of my mind

11.12.15

can't wait.

Posso ainda ser uma novata no que toca a anime, mas se houve trabalhos que me tocaram foram os de Shinkai, principalmente o The Garden of Words! Mal posso esperar que Kimi no Na wa (Your Name) surja e me deixe boquiaberta e em lágrimas como os outros filmes me deixaram! Parece promissor, so far.

8.12.15

thoughts.

estou a ponderar seriamente trazer o piano do meu irmão para Aveiro no 2º semestre e aprender a tocar all by myself. A ponderar... 

7.12.15

the night is dark and full of terrors.

e passado exactamente um mês eu dou por mim ainda a ter saudades tuas...

4.12.15

ligeiramente viciada.

Sim, no álbum praticamente todo.

3.12.15

teimosia inversa.

Isto é só um desabafo. Eu gostava de ser daquele tipo de pessoas que quando mete uma cena na cabeça faz de tudo para a conseguir. Queria poder dizer:"ok, eu vou ser excelente nisto, vou empenhar-me ao máximo, focar-me absolutamente nisto e ser a melhor que posso ser!" e conseguir realmente levar esse pensamento a cabo, concretizá-lo em acções, deixar que seja um mero pensamento... Queria ter a força de vontade suficiente para tal. Deixar a preguiça de lado, as desculpas, a falta de auto-estima, o que quer que seja que me impede de ser assim. Queria por uma vez na vida levar um objectivo até ao fim, sem desistências à mínima fraqueza ou obstáculo que me surge pelo caminho. Odeio ser assim, odeio ser fraca e persistente apenas na preguiça. Quando ouço alguém dizer:"se é para fazer então tenho de fazer bem, ser o melhor" o meu primeiro pensamento é logo:"fogo, que convencido...", mas caramba, também eu gostava de ter essa capacidade de controlo e ambição, ser realmente boa naquilo que de facto quero ser! Tanto em objectivos a longo prazo como vir a ser uma assistente editorial como em pequenos detalhes do dia-a-dia como levantar-me da cama e ir à procura do raio da pen que teima em brincar às escondidas e vencer-me porque simplesmente não me quero dar ao trabalho de a ir procurar (apesar de me estar a fazer falta...) ou levar até ao fim o hábito de fazer exercício e comer saudavelmente cada vez que começo. Tudo isto porque, no fundo, são pequenas batalhas que se tornam mais duras à medida que desisto. O difícil, como toda a gente sabe, é começar... e eu estou sempre a começar... até que acabo por desistir. Raios.

1.12.15

dia de descanso

Ontem foi o lançamento do livro em que colaborei na edição. Foi um dia extremamente cansativo, entre ajudar o autor com os autógrafos e dedicatórias, tratar do planeamento do espaço para a sessão, vender exemplares, enfim, fiz de tudo um pouco e não parei um segundo quieta desde as 10h às 20h. Assim que cheguei a casa comi qualquer coisa e caí no sono que nem um bebé de tão cansada que estava. Já aqui tenho mais trabalho para fazer, mas hoje é decididamente dia de descanso! Dói-me o corpo todo (malditos saltos!) e só me apetece ficar a ver vídeos e jogar minecraft, amanhã quando voltar a Aveiro logo penso no (muito!) resto que tenho ainda por fazer... 

In other news, em O.H. fizemos a árvore de natal no domingo, yeaaay, the best time of the year is coming and I can't wait!

24.11.15

we meet again.

Chegar a Aveiro e verificar que o frio não era só característico lá da terrinha... 
aquecedor aceso, pijama fofinho e bebida quente.

21.11.15

cenas.

Sabe bem estar em casa. Já se sente o frio característico desta região e, apesar de tudo, é reconfortante sentir o inverno regressar aos poucos. Tenho imenso que estudar para um exame que vou ter na próxima sexta e não me apetece nada, só me apetece estar no minecraft. Convidaram-me para fazer parte do staff e, ainda que seja muito noobzinha para já, sabe bem poder contribuir com pouco que seja e fazer parte da comunidade de lá. Assim que cheguei a casa a gata veio a correr para mim, sabe que preciso de mimos e não me larga. Na quarta foi um dia feliz, estive com as minhas meninas da licenciatura em Aveiro, de quem já tinha imensas saudades e fez-me bem passar uma tarde acompanhada e a sorrir. Tive dois 16 na universidade o que também foi bom e deixou a avó feliz por estar tudo a correr bem. Nem acredito que falta menos de um mês para deixar de estudar... Enfim, chega de novidades por hoje. Vou aproveitar a companhia da família e da gata, que dura pouco tempo! Amanhã há mais.

19.11.15

I love this place, but it's haunted, without you...

tento camuflar a dor com sorrisos forçados, sarcasmos ditos da boca para fora ignorando o sofrimento interior. é como passar corrector por uma palavra mal escrita, acentuando a cicatriz da parte de trás, conferindo-lhe ainda maior valor e significado, mas ausente de acção. tento convencer-me que o tempo irá desgastar o papel em que foi escrita, mas hoje choro. sou fraca. não consigo ultrapassar a tua ausência mesmo sabendo que tu estás feliz como se eu, sim, nunca tivesse existido em ti. questiono-me se terás sequer a curiosidade de passar por aqui e ler estas palavras. fazes-me falta, tanta, tanta... sou fraca. só quero acabar com tudo, sair desta cidade e fingir que nada aconteceu, porque não consigo suportar que simplesmente não quiseste mais saber de mim, que se calhar nunca quiseste e eu, eu dei tanto de mim, tanto que tu sabias que nunca tinha dado a ninguém, tanto que nada importou para ti. só me apetece desistir de mim, como tu fizeste...

this.

“IF YOU HAVE A DREAM, THEN YOU HAVE A DUTY AND A RESPONSIBILITY TO YOURSELF TO MAKE IT COME TRUE. 

BECAUSE IF YOU DON’T MAKE YOUR DREAMS COME TRUE, THEN YOU’RE JUST A DREAMER”

- Marco Pierre White.

14.11.15

in tears.

Mas vou dizer-te uma coisa, não te podes sentir mal contigo ou pensar que é da tua culpa, pois tu és das poucas pessoas que já conheci na vida que é genuinamente honesta e AWESOOOOME (tipo muito mesmo!), e caso não tenhas reparado ainda, o mundo está cheeeeeio de pessoas que não levam as coisas a sério e aproveitam-se do coração puro das outras. Aí é que está o problema, ser-se boa pessoa, entregar-se às amizades e ''wearing your heart on your sleeve'' tem benefícios, mas também tem um lado bastante negativo que é: as pessoas aproveitam-se facilmente e acabamos sempre magoadas porque demos demais de nós (seja no amor, na amizade ou até mesmo naquela pessoa que passou por nós no virar da esquina e que nós sorrimos por simpatia e ela nos virou a cara por arrogância). O que importa é reconhecer que somos nós que ganhamos sendo assim, pois no fundo não nos podemos martirizar ou sentir culpadas quando alguma coisa dá para o torto, porque nós fomos sinceras do início e a outra pessoa é que abusou disso. Gosto de acreditar que Deus vê tudo e tal como ele, outras pessoas bondosas e awesoooooomes vão valorizar e um dia conseguiremos chegar a um ponto na vida em que nos consideramos plenamente felizes, enquanto quem só magoou os outros, vai viver na mágoa e culpa para sempre e nem vai saber porquê.
- Thanks for brightening my day, J.

daddy.

Pai por favor sai de França e regressa a casa em segurança, por favor, por favor, por favor!

12.11.15

masoquismo much?

Pus-me a ver o filme "You've Got Mail" que basicamente relata a história de um homem e uma mulher habitantes de Nova Iorque e que comunicam via mail/chat and well, it's a romantic comedy with a bit of drama, so you can guess what happens...

Kathleen Kelly: [in an email to Joe Fox] I've been thinking about you. Last night I went to meet you and you weren't there. I wish I knew why... I felt so foolish! (...) Anyway, I still wanted to talk to you... The odd thing about this form of communication is that you're more likely to talk about nothing than something. But I just want to say that all this nothing has meant more to me than so many somethings. So thanks...

God, if only those happy endings existed in (my) real life...

distant everyday memories.

Num segundo de coragem acabei de tomar uma atitude que me custou tanto, não pelo presente, mas pelo passado que já vem desde março e pelo futuro que ainda podia existir... A verdade é que neste momento sinto-me tão humilhada com o que aconteceu, tão magoada e triste que não saber o que fazer só tornava as coisas ainda mais complicadas para mim. Um só clique. Como eu gostava que um só clique acabasse efectivamente com tudo aquilo que sinto, tanto do bom como do mau, mas tive que tomar uma decisão e foi esta. Restam as memórias...

Ironia em repeat... goodbye.


P.S. - Estou a tentar convencer-me de que olhos que não vêem coração que não sente...
P.S. 2 - I'm such a mess, assim que o fiz desatei a chorar... fuck me.

11.11.15

never ending rain and darkness...

It’s real.
You can’t change it by wishing it away.
If it’s dark and rainy it really is dark and rainy and you can’t alter it. 
It might be dark and rainy for two weeks in a row. 

BUT

It will be sunny one day.
It isn’t under one’s control as to when the sun comes out, but come out it will.
One day. 

It really is the same with one’s moods, I think. The wrong approach is to believe that they are illusions. They are real. Depression, anxiety, listlessness — these are as real as the weather — AND EQUALLY NOT UNDER ONE’S CONTROL. Not one’s fault.

BUT

They will pass: they really will.
In the same way that one has to accept the weather, so one has to accept how one feels about life sometimes. “Today’s a crap day,” is a perfectly realistic approach. It’s all about finding a kind of mental umbrella. “Hey-ho, it’s raining inside: it isn’t my fault and there’s nothing I can do about it, but sit it out. But the sun may well come out tomorrow and when it does, I shall take full advantage."
- Stephen Fry

P.S. - This reminded me of "Winter is coming" and how the hell am I supposed to watch the next season of GoT all by myself? fml ;_;

10.11.15

falando no estágio (para variar um bocado...)

Ontem e hoje recebi trabalho para fazer revisão textual e gráfica de duas obras, um total de 468 páginas. Em relação a erros gráficos e de paginação confesso que ainda me sinto muito fraquinha nesse campo, mas no que toca a revisão textual não há nada que me pare, entro logo no modo "erros - gotta catch 'em all!!". No entanto, a obra que recebi hoje tinha partes em galego e, para quem conhece o galego, é alta dor de cabeça porque nem é português nem espanhol, é um mix o que basicamente torna o trabalho de alguém que não é fluente muito mais confuso... A acumular que tive que fazer isto tudo no pc, senão só o dinheiro que ia gastar a imprimir provas... Oh! My eyes! My eyes!

yamanai ame.

"As time passes, the day will come when everything will fade to memories. But those miraculous days, when you and I, along with everyone else, searched together for just that one thing, will continue revolving forever somewhere deep in my heart, as my bittersweet memory"
- honey and clover 

9.11.15

"sem sal"

I've always thought I ended up alone because I wasn't pretty/thin/sexy/wtv enough, turns out this time he said specifically I wasn't interesting. And that just... fucking hit me really hard! It hurts so much to know that is how someone you like thinks of you...



“Rain makes me feel less alone. All rain is, is a cloud falling apart, and pouring its shattered pieces down on top of you. It makes me feel good to know I’m not the only thing that falls apart . It makes me feel better to know other things in nature can shatter.” 

8.11.15

but, hey, I'm better off alone, right? right... oh, well...

Engraçado como numa questão de segundos fiz mais figura de idiota que uma rapariga que ontem ia caindo (num shopping cheio de gente) nas escadas rolantes por ir a olhar para o telemóvel...
Quem diria que nem depois da merda com o R. eu ia adquirir inteligência suficiente para perceber quando um gajo não tem interesse e eu peço-lhe explicitamente que mo diga na cara...

3.11.15

ao terceiro dia de novembro:

comprei papel de embrulho de natal... what can I say? It's the most wonderful time of the year?

22.10.15

tenho em mim todo o sono do mundo.

Ou como ontem à noite fui para o Porto dormir (mal) na casa dos manos, para hoje de manhã às 7:30h ir para a Póvoa de Varzim para o estágio, no qual estive até às 15h, saí, andei 1,5km a pé até à estação do metro para ir até Campanhã de forma a apanhar o comboio até Aveiro, tudo isto com apenas 2 sandes de fiambre e 3 pacotes de leite no estômago, todo o santo dia! Amanhã tenho aulas das 9h às 19h apenas com uma hora de almoço sendo que à noite mais 2h de carro até casa.
Dores: cabeça, costas, ombro esquerdo (precisando de muitos beijinhos).
Saudades: dele, apesar de...
Ahh já disse que ainda estou a recuperar da operação às amígdalas que faz amanhã 3 semanas, mas que ainda ando aqui aos tombos e a tremer por todos os lados?

Queixinhas much?

17.10.15

someday...

visitar o shinjuku gyoen national garden num dia chuvoso e comer chocolate acompanhado de cerveja.

A faint clap of thunder,
Clouded skies,
Perhaps rain will come.
If so, will you stay here with me?

14.10.15

last night I dreamt about you and fell out of bed twice.

É mera ilusão. O corpo contorce-se apenas com o cenário idílico criado por uma mente sedenta de vontade. A respiração torna-se irregular e acelerada tentando acompanhar os batimentos cardíacos mais estimulados que nunca. És tu. Sinto o teu sabor e sei que jamais sentirei algo tão viciante e diferente. O suor desliza com cautela e receio. Arrepios surgem do meu epicentro. És tu. Vou-me revirando e envolvendo neste escudo protector que roça timidamente a pele. Sorrisos abafados despoletam ao sentir o sangue efervescer. Os olhos permanecem calados ao escutar a história que o inconsciente adormecido conta. Uma história de sinestesias, emoções misturadas num fascinante momento. És tu. O tempo foge e leva com ele a sensação que eu quero tornar infinita. A aurora teima em me roubar o sonho, aquele de que não quero acordar. Pelo menos, enquanto se tratar de um mero sonho. És tu. Fica.


13.10.15

desapego.

tento ver para além do cenário que se esbate no nevoeiro. salpicos de chuva criam um mapa de um lugar inexistente na janela do carro. nem me questiono se percorro o trajecto certo, apenas me deixo levar. reservo este momento de pura introspecção mais para me perder que para me encontrar. um carro passa ao meu lado, questiono-me quem lá vai, qual a sua história, o que temos em comum. o tracejado do solo tem um efeito hipnótico em mim. a chuva persiste e sei que é melhor assim, torna-me criativa. não quero chegar ao destino, sinto-me aconchegada no banco de trás e sei que posso deixar-me levar. inunda-me o som do rádio baixinho, um ruído triste, uma melodia familiar. não preciso de mais ninguém, estou bem só. tento convencer-me do significado dessas palavras ainda que não façam sentido. sou romântica, carente, mimada. preciso de alguém, preciso dele. um ele que já foi miragem em diversos corpos, poucos. e o veículo vai tombando com timidez. o começo já fica distante, a realidade dispersa-se em inúmeros pensamentos que me assolam de uma só vez. fico confusa. respiro com cautela e tento recordar o passado. porque me vim embora? de que fujo? não quero esmorecer. volto a observar quem passa por mim. incógnitas por resolver. tal como eu...

24.8.15

8.8.15

this.

"Then it was something more. I wasn't actually in love, but I felt a sort of tender curiosity."
- The Great Gatsby, F. Scott Fitzgerald

1.8.15

Nem sei se fique triste ou feliz

Apaixonei-me por uma marca de chocolates da Suíça que a Nestlé não produz em Portugal...

14.7.15

wHere

Deixei-me planar pela imensidão da água, imersa em pensamentos vazios de conteúdo, com o céu nos olhos. Inspiro e expiro, sinto o ar a percorrer o meu interior, consigo ouvir a sua caminhada, sai e entra como quem busca algo que teima em desaparecer assim que chega ao fim do percurso. Deixei de existir por instantes, já nem um corpo sou, de tão leve que me sinto. Desfaço-me em ilusões e perco toda a unidade que me consumia outrora. Recai em ti essa responsabilidade, surges no azul eterno e crias cenários repletos de sentidos contraditórios, tu e eu, opostos mas juntos. Sinto-me a afundar na realidade que inunda a fragilidade do inconsciente, como uma onda que vem devagarinho e devolve a forma original à areia. Assim, recupero o fôlego e retorno à banalidade. Estou aqui.

13.7.15

to remember:

If we die we'll die, but first we'll live.
- Ygritte, Game of Thrones

1.7.15

precisa-se urgentemente:

motivação, optimismo, concentração, vontade...

21.6.15

do primeiro dia de verão:

e aquele que pode ou não ter sido o meu primeiro dia de férias:
- andei a tratar do jardim cá de casa;
- comi ameixas fresquinhas do quintal da avó;
- pus uma rede nova no jardim;
- vi um filme;
- tomei o primeiro banho de piscina;
- fui a um aniversário;

 Eis aqui o antes e o depois do bocadinho que fiz hoje no jardim, amanhã há mais!

9.6.15

"ninguém está bem sozinha"

You knew I could not resist 
I needed someone

4.6.15

ao quarto dia de junho:

e já o considero o pior mês do meu ano... em todos os sentidos da minha vida!

2.6.15

To Remember:

Nunca mais abrir o mail antes sequer de tomar o pequeno-almoço... crises de ansiedade sem nada no estômago não são a melhor coisa...

bem, parece que hoje é dia de brunch...

31.5.15

28.5.15

But if you give a little love,



you can get a little love of your own.

24.5.15

coisas a fazer assim que os mil exames da univ acabarem*:

- ler livros, muitos e bons livros!
- fazer um piquenique.
- andar de bicicleta.
- comer melancia.
- comprar uma rede nova para pôr no jardim.
- organizar o computador.
- fazer um projecto de diy que tenho em mente.
- tirar imensas fotografias.
- usar a piscina.
- fazer cupcakes.
-  escrever mais.


* - ou como eu tenho vontade de fazer imensa coisa quando tenho carradas de horas de estudo intenso pela frente.

sun(ny)day.


22.5.15

desabafos, desabafos everywhere.

Eu sou uma pessoa de pormenores, provavelmente por causa da minha péssima auto-estima e insegurança, creio sempre que não sou merecedora de grandes gestos, sentimentos e palavras por parte de outras pessoas e acabo por dar uma imensa importância aos detalhes quotidianos que a maioria aceita como um dado adquirido... também sei que ele nunca será mais do que um amigo, até porque ele merece alguém bem melhor do que eu, mas a verdade é que sabe tão bem todas as noites ler da parte dele palavras tão simples como "boa noite", "dorme bem", "até amanhã". Expressões que são atiradas todos os dias para um buraco negro no espaço, fazem-me esboçar um sorriso e acreditar que vou ter, de facto, uma boa noite e que vou dormir bem e que amanhã isso se voltará a repetir. Enfim, o meu mal claramente é o sono que me faz divagar demasiado. Amanhã há mais.

16.5.15

do coração.

Esta semana tem sido absolutamente incrível! Logo às doze badaladas tive uma surpresa minecraftiana de uma pessoa que surgiu recentemente na minha vida, mas que tem vindo a ter uma presença diária impressionante. Segunda e terça passei com as minhas meninas de Aveiro, foi bom estarmos todas outra vez juntas como se tempo algum se tivesse passado desde a última vez, a cumplicidade, as memórias, os risos, todos os elementos fizeram parte de uma divertida noite de enterro! Na quinta realizei os meus 22 aninhos, na presença da Paula e da Ângela, em Aveiro, foi um dia mais calminho, mas igualmente agradável! Ontem entrei no comboio e segui em direcção a Coimbra para estar com a melhor das melhores! Fui à queima das fitas com a Vanda a quem agradeço eternamente a sua presença incondicional desde há tanto tempo. Fui ver The Kooks que, para quem segue este blog, já deve ter percebido que é uma constante na banda sonora e gostei imenso do concerto ao vivo. Vi o nascer do sol e aproveitei a boleia dos manos para voltar à casa que me viu crescer ao longo deste tempo. Recebi miminhos e prendinhas da minha maravilhosa família. Mas claro, um momento de celebração como um aniversário tem sempre o seu lado mais nostálgico, vemos a vida a passar por nós mais rápido do que nos apercebemos diariamente e recordamos aqueles que são especiais, mas que não estão mais connosco. A todos esses, havendo dois em destaque, que saibam que me lembro sempre deles e que me fazem muita falta, que estou feliz e sigo o meu caminho sempre com esperança de que se orgulhem de mim como se orgulhavam outrora.

If you could see me now,
If you could see my smile,
Oh, would you be proud?

10.5.15

carpe diem, yolo, hakuna matata...

o que lhe quiserem chamar. A verdade é que já há uns tempos que me ando a sentir completamente despreocupada com as pequenas coisas que me levavam a crer que era neurótica, paranóica, wtv. Ando genuinamente feliz e alegre e acho que até sei o motivo, mas prefiro não dar demasiada importância senão ainda estrago tudo, as usual. Só sei que amanhã vou passar uma noite que espero que seja memorável com algumas das pessoas que mais amo e aproveitar cada segundo! Na quinta faço anos e na sexta vou à queima de Coimbra com a melhor das melhores amigas e quero divertir-me ao máximo e ouvir The Kooks ao vivo e dançar e sorrir. 
Noutra altura, perante uma semana como esta, eu estaria a stressar com tudo e mais alguma coisa, principalmente com o facto de ter que sair da minha zona de conforto, estar com imensa gente, apanhar comboios, bla bla bla, mas a verdade é que ultimamente alguém tem-me influenciado de forma positiva, tem-me feito ver que preciso de deixar de ser tão assustada e nervosa, preciso de aproveitar melhor a vida, deixar de "querer" estar sozinha, não ligar ao que os outros pensam, arriscar em situações que por muito que eu pense que não vou gostar, porque nunca experimentei, no fundo, até quero e acabo por desfrutar muito mais esses momentos. Acima de tudo só tenho sentido que devo e quero ser eu própria, sem me auto-julgar ou sem deixar que a opinião dos outros importe e afecte as minhas decisões, principalmente no que toca a divertir-me e deixar-me levar pela vida.

8.5.15

sem sentido, mas com significado.

arroz | s. m. 
ar·roz |ô| (árabe ar-ruzz) substantivo masculino 
1. [Botânica]  Planta poácea cultivada nos terrenos húmidos e quentes. 
2. Grão desta planta (ex.: pacote de arroz). 
3. [Culinária]  Prato cuja base é esse grão cozido (ex.: arroz de feijão, arroz de marisco)
4. Felicidade (ex.: arroz doce).
ar·roz |ô|
(árabe ar-ruzz)
substantivo masculino
1. [Botânica]  Planta poácea cultivada nos terrenos húmidos e quentes.
2. Grão desta planta (ex.: pacote de arroz).
3. [Culinária]  Prato cuja base é esse grão cozido (ex.: arroz de feijão, arroz de marisco).
Plural: arrozes.

"arroz", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/arroz [consultado em 08-05-2015].
ar·roz |ô|
(árabe ar-ruzz)
substantivo masculino
1. [Botânica]  Planta poácea cultivada nos terrenos húmidos e quentes.
2. Grão desta planta (ex.: pacote de arroz).
3. [Culinária]  Prato cuja base é esse grão cozido (ex.: arroz de feijão, arroz de marisco).
Plural: arrozes.

"arroz", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/arroz [consultado em 08-05-2015].